CPI pede proteção para taxista sob ameaça em Guarapari
segunda-feira, 30 de maio de 2016



A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Máfia dos Guinchos já encaminhou à Secretaria de Estado de Segurança Pública e ao comando da Polícia Militar do Espírito Santo que garantam a segurança do presidente da Associação dos Taxistas e Defensores do Centro de Guarapari, Paulo Silas Vida Benevenuto.

Em depoimento perante a CPI, nesta segunda-feira (30), Paulo Silas disse que está sendo ameaçado desde que começou a fazer denúncias de irregularidades na licitação para concessão de novos táxis na cidade praiana.”É preciso garantir a segurança do senhor Paulo Silas para que a Comissão possa continuar contando com sua colaboração nas investigações em Guarapari”, disse o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), presidente da CPI da Máfia dos Guinchos, agora estendendo sua atuação para a “Máfia dos Táxis”.

Diante dos deputados, o presidente da Associação fez denúncias que o colegiado considerou “gravíssimas”, segundo Enivaldo dos Anjos. “Inclusive, estou recebendo ameaças”, contou Paulo Silas. “A gente descobriu que está havendo venda de placas por mais de R$ 20 mil, antes da abertura dos envelopes da licitação, e que muitos vereadores estão envolvidos”, ressaltou.

Benevenuto explicou que só ele tem mais de 27 anos de táxi na praça: “E são vários na mesma situação. A prefeitura não quer assinar a autorização para que a gente continue prestando os nossos serviços, nos ‘obrigando’ a participar da licitação, mas não é justo”.

O processo continua na justiça. A licitação não foi finalizada, abriram-se apenas o primeiro e o segundo envelopes, pois foi determinado pela Justiça que não se homologasse a licitação até que tudo seja apurado. “Em Guarapari são 112 placas sem licitação e 14 com licitação (concedida nesse processo atual)”, informou Benevenuto.

O presidente da Associação explicou, ainda, que foi determinado nessa licitação que todos os taxistas colocassem taxímetros nos veículos e usassem uniformes.

 

Compartilhe: