CPI fará reunião em Linhares para lembrar o crime ambiental que matou o Rio Doce
quinta-feira, 03 de outubro de 2019

A CPI da Sonegação encaminhou ofício à presidência da Assembleia solicitando a realização de uma audiência pública em Linhares, norte do Estado, no dia 05 de novembro, quando o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG) completa quatro anos.

Com cerca de 150 mil habitantes, Linhares tem uma das maiores taxas de impactados pelo crime ambiental por depender do Rio Doce para o seu abastecimento de água. Assim como em outras cidades na mesma situação ao longo do curso do rio, linharenses sofrem com os reflexos da contaminação das suas águas até os dias de hoje, sem que muito tenha sido feito pelas empresas responsáveis.

Durante reunião extraordinária da CPI, na manhã desta quinta-feira (03), pescadores, moradores e representantes de diferentes comunidades ribeirinhas estiveram presentes para falar dos problemas vividos por eles desde a chegada da lama tóxica de Mariana. Falta de peixes, doenças de pele, ossos e sistema nervoso, danos ao meio ambiente e ausência de garantias são alguns dos dramas relatados pelos pescadores durante o encontro.

Diante dos problemas apresentados e da ausência da Fundação Renova à reunião, o presidente da CPI, deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) se mostrou comovido com a luta dos moradores e defendeu que a comissão se juntasse a eles. “Vamos propor uma audiência pública na Câmara de vereadores e logo depois vamos fechar a 101 para mostrar para o mundo como a Vale e a Samarco têm tratado vocês”, desabafou o parlamentar prontamente aplaudido pelos presentes.

Ainda sem horário marcado, a audiência pública será realizada com a presença de moradores e autoridades do município.

 

Compartilhe: