"Só Deus para resolver o problema deste país"
terça-feira, 05 de julho de 2016

“Só Deus, só Deus, para resolver o problema deste país”. Foi com essa constatação que o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) deu início ao seu pronunciamento, ontem, dia 4 de julho, no Plenário da Assembleia Legislativa (Ales)

O deputado mostrou toda a sua indignação em relação a uma reportagem veiculada um dia antes no Fantástico, na TV Globo, mostrando que até os servidores das ambulâncias do SAMU estão participando de roubo ao aceitarem propina para levar doentes encontrados na rua para as UTIs para que os médicos ganhem mais dinheiro.

“Como é que esse país pode ter solução. Que roubaram a Petrobras, os Correios... Que eles roubaram em todos os lugares, isso está mais do que provado. E, agora, vai ter uma delação, outro escândalo no Brasil, na Lava Jato, que vai envolver várias pessoas do Judiciário. E eu tenho falado aqui, muitas vezes, que a culpa do Brasil estar nessa situação, mais de 50%, é do Judiciário, que às vezes se junta às pessoas para perseguir alguém, e às vezes se junta com outros para poder protegê-los. Um Judiciário fraco, um país corrupto. Um Judiciário forte, um país sério. Sinceramente, depois dessa delação que vai revelar o nome de figuras do Judiciário brasileiro envolvidos na corrupção, aí é que nós vamos precisar mesmo fazer procissão buscando a proteção de Deus para salvar este país”, explica o deputado.  

Enivaldo dos Anjos se diz estupefato com a revelação de ontem (no Fantástico): “Nem se você passar mal na rua está livre da corrupção, porque está configurado que até o motorista da ambulância ajuda, a piorar, ao invés de melhorar, o paciente, para depois levá-lo a UTI, para gerar R$ 3 ou R$ 4 mil de diária. Esse país não tem jeito. É um absurdo”.

Para o deputado, o Brasil precisa começar a prender as pessoas, e imediatamente, e não ficar dando prazo e aceitando recursos, “recentemente o ministro do STF surpreendemente soltou um ex-ministro que roubou os velhinhos do país inteiro, sob a alegação de que era constrangedor o tratamento dedicado a ele. Na verdade, ele nem podia despachar esse processo, porque o ex-ministro não tem foro privilegiado, a defesa tinha que partir do juiz, depois ao TRJ e só posteriormente ao STF. Mas o ministro ex-advogado do PT, simplesmente descumpriu toda a regra da lei, deu liminar para um preso comum, o que não competia ao STF. Eu penso que esses momentos difíceis que estamos vivendo, eles não são fáceis de resolver porque a corrupção está infiltrada em todos os segmentos da população. E não adianta querer torcer para que um ou outro seja pego, a população, na verdade, também precisa começar a ajudar a combater a corrupção, que existe por causa do apoio da própria sociedade”, diz o deputado.  

 

Compartilhe: