"Se a zebra pintar, vamos paralisar a Vale"
sexta-feira, 08 de julho de 2016

“Se a zebra pintar em Vitória nós, com certeza, vamos armar uma política na área de meio ambiente pesada e forte, de paralisar o funcionamento da Vale do Rio Doce”. Foi assim que o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) se pronunciou no Plenário da Assembleia Legislativa no último dia 6 de julho.

O deputado estava dando uma resposta ao diretor de Meio Ambiente da Vale, Romildo Fracalossi, que esteve presente esta semana na CPI da Sonegação, e em sua fala mais uma vez apresentou dezenas de relatórios com o objetivo de diminuir a poluição causada pela empresa no Espírito Santo.   

 “Basta ouvi-los para perceber o deboche, a falta de responsabilidade e o desprezo com que a companhia trata as pessoas no Espírito Santo. A impressão que dá é que o departamento financeiro da empresa tem certeza de que vencerá sempre todos os obstáculos, premiando autoridades com algum presente irrecusável. O diretor da Vale da área do meio ambiente vem aqui e faz um relatório de todas as ideias que eles têm há 40 anos para tentar acabar com a poluição. Eles só falam de estudo, estamos estudando uma linha de entendimento que pode diminuir a poluição. Estamos estudando... Enquanto isso está morrendo gente, crianças, idosos, pessoas do Espírito Santo, assassinadas pela Vale”, ressaltou indignado o deputado.

Enivaldo dos Anjos completou ainda dizendo que está esperando nascer aqui no Espírito Santo um juiz Sergio Moro “pra poder colocar esse pessoal da Vale na cadeia e resolver os problemas”. Para ele, Vitória deveria se envergonhar, porque a população odeia o pó preto, mas o prefeito não se manifesta: “É um absurdo que a Secretaria de Meio Ambiente Municipal não tenha coragem de fazer uma ação de impedimento de funcionamento a essa empresa. Essa situação é só mais uma que mostra o momento que estamos vivendo no Brasil nos últimos meses e como funcionam as empresas privadas com os poderes públicos do país. É de total subserviência ao poder econômico, é de total irresponsabilidade na concessão de fiscalização das licenças. Quase todas as licenças que a Vale tem, ela tem porque o próprio Estado autoriza, e ainda renova prazos para eles cumprirem as regras impostas pelo próprio órgão fiscalizador. Então a Vale fica tranquila, faz um trato com o Ministério Público e não cumpre, faz um trato com a Secretaria de Meio Ambiente e não cumpre. E quando o prazo encerra, eles pedem tempo e o órgão fiscalizador concede. Então, nós chegamos à conclusão de que a poluição existe no Espírito Santo por culpa das autoridades”, explica o deputado.

“A vale é um câncer, um câncer que está comendo os pulmões da população do Espírito Santo e matando crianças, idosos, a população de maneira geral. Enfim, essa empresa precisa ser vista da forma que ela é, uma empresa criminosa”, conclui o deputado.  

 

Compartilhe: